Instituto de Constelações Familiares Brigitte Champetier de Ribes / Brasil

Textos selecionados



Você pode nos deixar seus dados e teremos o maior prazer em lhe enviar informações sobre as atividades do Instituto. Para isso, visite nossa nuestra página de contato.
Obrigada.



"Eu escolho a vida" a cada hora em ponto

Convidamos você, a cada hora, a criar uma nova vibração ao redor do mundo, dizendo “EU ESCOLHO A VIDA” junto com milhares de pessoas. Todos juntos a serviço da vida.












Ir ao essencial

Revista Hellinger, dezembro 2008.

Um eco dentro de você

Quando, em seu Livro de Horas, Rilke pergunta: Quem vive a vida? Você a vive, Deus? É ainda possível imaginar que estou perante Deus como se estivesse separado dele, como se pudesse, por conseguinte, rezar-lhe, por exemplo, como se pudesse pedir-lhe algo, como se pudesse agradecer-lhe, amá-lo, temê-lo?

Se Deus vive minha vida, então eu vivo em Deus e ele vive em mim: em tudo o que realizo, no sentir-me unido aos outros ou, caso contrário, separado. Porque em todos os outros seres humanos, ele vive, ama e atua, seja o que façam, seja o que sintam em termos de culpa e inocência, de bom e mal. Se Deus for aquele que vive toda vida, todo o individual desaparecerá, inclusive o eu próprio.

Frequentemente me enfrento, com meu eu, ao movimento da vida assim como Deus em mim a vive, em aparente oposição. Portanto, sinto-me separado de este movimento de vida, tanto dentro de mim como referente aos outros. Este movimento me introduz, desde meu interior assim como com outros, em um antagonismo que faz que o eu viva dolorosamente a separação que Deus experimenta em nós, a tal ponto que gastamos nossa vida, por dizê-lo assim, antes de ter conseguido percebê-la plenamente em sua perspectiva de eternidade.

Com esta reflexão, coloquei-me em uma oposição perante Deus, como se pudesse e como se tivesse a permissão de fazê-lo. Outra coisa é se acompanho a vida em todos seus aspectos, assim como Deus a vive em mim, sem que estabeleça entre ele e eu diferença alguma. Se Deus é quem vive nossa vida, acaba-se nosso eu. Na medida em que Deus vive nossa vida, nos adentramos em um movimento, em seu movimento - já que a vida é movimento. Por certo, neste movimento alcançamos já e desde sempre nossa finalidade.

Como entrar em sintonia com a vida que Deus vive em nós? Primeiro, em nosso pensamento. Pensamos nossa vida com ele, assim como ele a pensa. E que pensamos com este pensamento? Pensamos a vida, a totalidade da vida, unindo-nos, junto com essa vida, a tudo o que ele pensa, da forma que pensa.

Este pensamento é assentimento e ação, sem diferenciação entre um e outro. Nele, ficamos absorbidos com todo o resto, vividos por Deus.

Acaso existe algo além desse pensamento? Esse pensar, como pensar de Deus, acolhe-nos em sua vida, levando-nos ao seu movimento, dentro de seu movimento. E nele, desde já, nos consumimos até deixar de ser.