Instituto de Constelações Familiares Brigitte Champetier de Ribes / Brasil

Textos selecionados



Você pode nos deixar seus dados e teremos o maior prazer em lhe enviar informações sobre as atividades do Instituto. Para isso, visite nossa nuestra página de contato.
Obrigada.



"Eu escolho a vida" a cada hora em ponto

Convidamos você, a cada hora, a criar uma nova vibração ao redor do mundo, dizendo “EU ESCOLHO A VIDA” junto com milhares de pessoas. Todos juntos a serviço da vida.












A atitude fenomenológica do terapeuta

Grenoble, França, fevereiro 2001.

Pergunta: É possível avaliar a terapia das Constelações Familiares?

Bert Hellinger: Se por avaliar entende-se que existe um protocolo que se pode repetir sabendo de antemão o resultado que irá produzir, então não. Isto é válido para a Física, a Mecânica, a Medicina e o Condutismo.

A atitude fenomenológica em terapia significa a seguir:
O terapeuta expõe-se a um novo contexto, a um cliente sentado ao seu lado. Estou sentado e deixo-me impregnar pela situação.

Percebo, estou centrado em mim e percebo, estou centrado em minha percepção.
Vejo o cliente, mas sem olhar muito para ele, começo a perceber algo, continuo centrado em mim, no que me vem internamente, no que percebo, o cliente fala comigo, porém não o escuto muito, deixo-me impregnar, entendo mais ou menos, estou centrado em mim, aberto a tudo, a tudo o que me mostram, impregno-me, sem intenção, pois não sei se é bom para ele se curar, assim que não tenho nenhuma intenção, sobretudo não tenho medo ao que possa surgir, nem tenho medo ao que possam mencionar sobre isso.

Exponho-me à situação até que algo apareça.
E, de repente, algo fulgurante, brevíssimo, uma imagem, uma palavra, eu sei, é isso. Imediatamente depois desaparece.
Se duvidar, se tiver medo, se não confiar nesse instante de clareza, eu já não os receberei novamente.
É muito breve, é um fragmento do conjunto, é o que tenho que fazer agora, sem pensar no depois, confiando.

Trabalho com essa imagem sem saber o que vou fazer depois. Depois, torno a me centrar em mi mesmo e espero até saber qual será o segundo passo. Ao expor-me à situação algo se torna claro novamente.

O terapeuta está na escuridão, esperando um flash, segue-o e de novo está na escuridão, e novamente recebe um flash e assim continuamente, até que sinta que já não pode nem não deve ir além.
Precisamos ter muita confiança em forças que estão por cima do terapeuta. O terapeuta não pode dizer que fez algo, é algo dado, presenteado, ele transmitiu o que lhe entregaram.
Este método é muito humilde, no final o terapeuta deve retirar-se, somente deve ir até onde lhe for permitido, até onde receber luz.
Pergunta: Devem realizar-se constelações completas?

Bert Melingre: Não, rotundamente, não.

A eficácia está em fazer somente um pedaço do caminho e confiar na alma do cliente. O terapeuta deve renunciar a controlar o resultado.
Este método precisa de um treinamento á humildade, paciência e saber retirar-se no final. Não se preocupar pelo resultado.
Seria nefasto para o cliente. 

Chamo isto de minimalismo: centrar-se sobre um tema importante, sobre somente uma coisa, o resto se resolverá somente se realmente centrei bem o problema.

Pergunta: E se o cliente desejar algo mais? Precisa algo mais sobre seu tema?

Bert Hellinger: Faça-se a pergunta, continuar trabalhando dar-lhe-á mais ou menos força? Pense em uma árvore, se curar as raízes da árvore influenciará toda a árvore, se você se dedicar a cortar os ramos ou curar as folhas, talvez consiga que o tronco apodreça…